Resistência antimicrobiana, médicos veterinários e tutores

25 January 2021 – News

Resistência antimicrobiana, médicos veterinários e tutores

A resistência antimicrobiana é uma preocupação crescente que ameaça pôr em causa décadas de progresso na área da saúde. Os organismos (multi)resistentes estão geralmente associados a doenças mais graves, maiores tempos de hospitalização e maiores custos a nível de saúde.

Os cuidados de saúde animal têm um papel muito importante no combate a esta realidade, não só pelo facto de os animais poderem atuar como reservatórios de organismos resistentes, como também pela elevada facilidade de transmissão, dada a relação próxima entre humanos e animais de estimação.

A investigação aqui descrita procurou compreender melhor os comportamentos dos tutores e dos médicos veterinários em relação ao uso responsável de antibióticos. Este estudo foi conduzido no Reino Unido e baseou-se em entrevistas a 21 tutores e a 16 médicos veterinários.

Muitos médicos veterinários admitiram ajustar as prescrições à sua perceção de ansiedade e expectativas dos tutores. Além disso, revelaram sentir que, para muitos tutores, a prescrição é associada a um evidente cuidado com a saúde do seu animal enquanto que a falta de recomendação de antibióticos é percecionada como nada tendo sido feito para o ajudar. Os anos de experiência também parecem ser um fator considerável para a tomada de decisões a nível terapêutico – os médicos veterinários mais novos parecem ser mais facilmente pressionados pelos clientes e colegas mais experientes.

Quando questionados sobre o nível de conhecimento dos seus clientes, muitos médicos veterinários classificaram-no como básico, admitindo que vários tutores tinham consciência dos potenciais efeitos negativos em futuros tratamentos, mas quase nenhum reconhecia o fenómeno da resistência antimicrobiana e os seus impactos interespecíficos.

Os tutores negaram associar insatisfação à falta de prescrição de antibióticos. A maioria reconheceu seguir as recomendações dos médicos veterinários reconhecendo-os como profissionais qualificados. Quando questionados sobre a resistência a antimicrobianos, a maioria assumiu não estar a par da questão e apenas uma minoria revelou saber que era possível haver transmissão entre espécies.

A falta de conhecimento sobre a resistência antimicrobiana é real e constitui um desafio global. Apesar das limitações descritas, esta investigação evidencia a importância do papel dos tutores e profissionais de saúde e da regulamentação do uso de antibióticos em medicina veterinária.

 

Smith, M. et al. (2018). Pet owner and vet interactions: exploring the drivers of AMR. Veterinary Research, 7:46. https://doi.org/10.1186/s13756-018-0341-1