Parasitas Zoonóticos de Répteis

1 November 2021 – News

Parasitas Zoonóticos de Répteis

Os répteis têm sido frequentemente associados a agentes patogénicos com potencial zoonótico de origem bacteriana, como a Salmonella spp, mas as doenças parasitárias com origem nesta classe têm recebido pouca atenção nos últimos anos.

Tal como outros animais, os répteis são hospedeiros de vários agentes patogénicos. O risco zoonótico está associado a interações homem-réptil, tais como consumo de carne de réptil, manutenção de répteis como animais de estimação ou contaminação ambiental.

A maioria das infeções por pentastomídeos ocorre por via oral, através do consumo de carne de cobra – sendo esta mais comum nos países asiáticos e africanos. No entanto, algumas vias de transmissão alternativas têm sido descritas, como o contacto com secreções nasais, saliva ou fezes de cobra.

Há também muitos artrópodes hematófagos (nomeadamente espécies de Ixodídeos e Argasídeos) que ingerem sangue de répteis e, em seguida, se alimentam de sangue de humanos e outros mamíferos, atuando como vetores mecânicos de agentes patogénicos. Entre alguns exemplos, os autores destacam os flebótomos (sobretudo do género Sergentomyia), que atualmente estão associados à transmissão de espécies patogénicas de Leishmania. Outras espécies patogénicas além de Leishmania infantum e Leishmania major foram detetadas em lagartos, sugerindo a participação destes últimos no ciclo epidemiológico da Leishmaniose.

Anfíbios e répteis são também hospedeiros paraténicos de nemátodes com potencial zoonótico. Espécies encapsuladas de Trichinella já tinham sido documentadas em mamíferos, mas recentemente duas espécies não encapsuladas foram encontradas em grandes répteis carnívoros, como crocodilos e lagartos-monitores.

Os répteis já são um animal de estimação comum, nomeadamente no que toca a pitons, iguanas verdes ou tartarugas. A maioria destes animais não possui as melhores condições de maneio e alojamento, o que potencia desequilíbrios orgânicos e aumenta a necessidade de cuidados médicos. Um check-up regular e médicos veterinários atentos e informados são essenciais para prevenir infeções entre os tutores, sobretudo pessoas imunodeprimidas.

O conhecimento das parasitoses zoonóticas com origem em répteis é importante para promover o controlo, prevenção e vigilância destas doenças. De forma a minimizar o risco de transmissão para humanos devem ser tomadas medidas sanitárias preventivas, como boas condições de higiene e maneio, aliadas a uma assistência veterinária periódica.

Mendoza-Roldan J.A., Modry D. and Otranto D. (2020) Zoonotic parasites of reptiles: a crawling threat. Trends in Parasitology, Vol.36, No.8. https://doi.org/10.1016/j.pt.2020.04.014