CASE REPORT: Toxicidade da afloqualona em cães

3 May 2021 – News

CASE REPORT: Toxicidade da afloqualona em cães

A afloqualona é usada em medicina humana devido aos seus efeitos sedativos e por ser também um relaxante muscular. Apesar de não existirem publicações sobre intoxicações com afloqualona em cães, estão descritos os efeitos tóxicos de medicações que atuam de forma semelhante no GABA (ex.: baclofen, benzodiazepinas).

Os dois casos aqui apresentados descrevem intoxicações acidentais com afloqualona em cães. Em nenhum dos casos havia problemas médicos prévios ou foi observada a ingestão dos medicamentos: os tutores apenas o assumiram a ingestão devido à falta de comprimidos no local habitual e às manifestações clínicas.

Um Schnauzer de 4 meses de idade deu entrada num hospital veterinário 15 horas após uma possível ingestão de uma quantidade de afloqualona superior a 28mg/kg, tendo apresentado vómitos, hipersalivação e colapso em casa. Pensa-se que no outro caso, um caniche de 3 anos terá ingerido 280 mg (59.6 mg/kg) do mesmo fármaco– neste caso, os sinais clínicos apresentados em casa foram ataxia, vocalizações e convulsões generalizadas.

No hospital, ambos os animais encontravam-se desidratados e normotensos, mas apenas o Schnauzer estava febril. Este animal estava também semicomatoso, em decúbito lateral e manifestava ptialismo, uma resposta à ameaça reduzida e reflexos pupilares à luz diminuídos. O Poodle também se apresentava em estado comatoso, mas os reflexos pupilares à luz estavam ausentes. Foram realizados exames hematológicos e bioquímicos e ambos os animais foram para a unidade de cuidados intensivos (UCI).

Na UCI, iniciou-se fluidoterapia de suporte. Como houve vários episódios convulsivos, administrou-se flumazenil e propofol. O uso de barbitúricos para o controlo destes ataques não é recomendado pois pode causar uma depressão profunda do Sistema Nervoso Central. O Schnauzer também apresentava hematúria severa (possivelmente devido a overdose) e, por isso, foi necessário mais tratamento de suporte e monitorização adicionais.

Estes casos não foram acompanhados da forma ideal devido a restrições financeiras dos tutores. No entanto, depois da alta hospital foi reportado que ambos os cães se comportavam normalmente.

Ahn, J. O., Jaung, W. J., Won, S. H., Ryu, M. O., Song, W. J., Jeon, K. O., Chung, J. Y., & Youn, H. Y. (2018). Accidental afloqualone intoxication in two dogs. The Journal of veterinary medical science, 80(1), 152–155. https://doi.org/10.1292/jvms.17-0305